Posts

Quarentena COVID 19

Olá!
Em virtude da pandemia causada pelo COVID-19, informamos que a partir da segunda feira (dia 23/03) interromperemos os atendimentos das consultas, exames e cirurgias eletivas por período indeterminado. Manteremos atendimento aos pós operatórios recentes e às emergências dos nossos pacientes.
Para contato, envie e-mail para contato@cassioriccetto.med.br ou WhatsApp  para (19) 99211-9048.
Com a colaboração e consciência de todos venceremos esse desafio!

Assoalho Pélvico e Sintomas Urinários

Em artigo publicado pelo nosso grupo recentemente na revista Neurourology and Urodyanmics apresentamos a utilidade da ultrassonografia translabial 4D e da eletromiografia perineal na análise das disfunções do assoalho pélvico feminino É cada vez mais aceito o conceito de que alguns sintomas ginecológicos, urinários e intestinais podem compartilhar de uma origem comum, e relacionarem-se a disfunções dos músculos perineais. Assim, a avaliação por meio de métodos mais sofisticados, como a ultrassonografia, eletromiografia e ressonância magnética dinâmica da pelve podem aprimorar a qualidade do diagnóstico.

A Próstata e a Sindrome Metabólica


 A síndrome metabólica caracteriza-se por obesidade, sobretudo com concentração da gordura no abdome, hipertensão arterial, resistência à ação da insulina (com aumento dos níveis de glicose e de insulina no sangue) entre outros achados clínicos. Na literatura médica, acumulam-se evidências de que essa síndrome associa-se com a ativação de mediadores inflamatórios e com uma resposta autoimune inadequada, que determinariam um processo inflamatório crônico na próstata, o qual favoreceria o aumento de volume prostático. Especula-se, também, que mecanismos semelhantes poderiam favorecer o processo de carcinogênese, com aumento do risco de câncer de próstata nos portadores da síndrome metabólica. Esses conceitos ressaltam a importância do tratamento conjunto da síndrome metabólica em portadores de sintomas prostáticos.

Sobre o emprego de próteses em prolapsos vaginais

O emprego de proteses permitiu melhora significativa dos resultados do tratamento cirúrgico dos prolapsos vaginais. Entretanto, com seu uso indiscriminado surgiram problemas, que motivaram alerta das agências reguladoras. Esse tema vem sendo debatido em alto nível nas sociedades médicas especializadas, como a American  Urological Association, International Urogynecological Association e International Continence Society. De maneira geral, considera-se que os eventos adversos com o emprego de próteses relacionam-se, principalmente, com sua indicação e com o treinamento do cirurgião.

 

Nota da Sociedade Brasileira de Urologia sobre a reposição de testosterona

Um percentual significativo de homens, principalmente após os 40 anos de idade, vai apresentar uma diminuição dos níveis de testosterona, cujo nome adequado é Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino ou simplesmente DAEM. E essa baixa de testosterona, confirmada por exame laboratorial, pode causar prejuízos à saúde e ao bem-estar dos homens, como diminuição da cognição, do raciocínio, da força muscular, da memória, da libido, das ereções, osteopenia e perda da disposição geral. Temos medicina baseada em evidências, isto é, dados com comprovação científica que, quando diagnosticado o quadro da deficiência de testosterona (clínica e laboratorial), a reposição pode trazer benefícios, o que está nas Recomendações ou Diretrizes de muitas Sociedades médicas do Brasil, como a Sociedade Brasileira de Urologia e a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, e do exterior.

A reposição de testosterona é um ato médico e quem a faz precisa de um treinamento específico para saber diagnosticar, orientar e, principalmente, para identificar as contraindicações: câncer de mama, câncer de próstata localmente avançado e interesse em paternidade, bem como fazer o monitoramento do tratamento a fim de assegurar a eficiência e a segurança. Isso deve ser discutido com o paciente e é recomendada uma avaliação da próstata antes do início do tratamento.

As formas de reposição de testosterona hoje aprovadas no Brasil são as injetáveis (curta e longa ação) e o gel transdérmico. Implantes subdérmicos ou suas associações NÃO são autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e NÃO apresentam comprovação científica para sua indicação, por isso não devem ser utilizados. Assim como também não existem preparações hormonais para retardar o envelhecimento.

Não existem especialidades médicas em “reposição hormonal”, em “modulação hormonal” ou em “antienvelhecimento” reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), portanto não existem especialistas nessas áreas.

O uso indiscriminado de testosterona ou outros hormônios pode trazer uma série de efeitos colaterais, muitas vezes irreversíveis (aumento do coração, morte súbita, risco de trombose e infertilidade) e que colocam a vida do paciente em risco. Portanto a DAEM é uma situação clínica que não é infrequente, que pode trazer prejuízo aos homens e, uma vez diagnosticada, deve ser tratada por profissionais treinados para isso.

Departamento de Medicina Sexual e Reprodução da Sociedade Brasileira de Urologia
Setembro/2019

Cuidados com a próstata no envelhecimento

O câncer da próstata é uma das neoplasias malignas mais freqüentes nos homens. Apresenta crescimento lento, e dessa forma, as possibilidades de cura são grandes, desde que o câncer seja diagnosticado numa fase inicial de desenvolvimento, quando ainda se encontra confinado na próstata. Tal qual o aumento prostático benigno, resulta de predisposição genética, de tal forma que é mais freqüente em famílias nas quais há homens que já apresentaram o problema. Nas fases iniciais, o câncer de próstata é assintomático. Dessa forma, o diagnóstico precoce somente poderá será realizado por meio do exame prostático e da dosagem de uma substância, chamada PSA. O PSA é uma proteína produzida pela próstata normal, cuja concentração sanguínea geralmente eleva-se no câncer da próstata. O tratamento do câncer de próstata poderá ser realizado por meio de cirurgia, radioterapia ou vários medicamentos, dependendo do estágio da doença, da idade do paciente e do seu quadro clinico. Apesar do impacto psicológico do diagnóstico, na maioria das vezes o portador de câncer de próstata, não irá falecer em decorrência da doença, mesmo que o tratamento curativo não seja possível, desde que se mantenha em tratamento sob supervisão médica regularmente.

Sobre a Incontinência Urinária

O Dr. Cássio Riccetto concedeu entrevista à Associação Brasileira pela Continência B.C. Stuart sobre aspectos gerais da incontinência urinária em homens e mulheres. Essa Associação, criada recentemente, é uma iniciativa sem fins lucrativos que tem por missão promover ações de educação sobre a incontinência urinária que acomete homens, mulheres e crianças. Veja os vídeos da entrevista: